sábado, 9 de fevereiro de 2019

O artista que retrata a diversidade ameaçada das espécies agrícolas





Série de colagens de variedades cultivadas, feitas desde 2010, mostra o que estamos perdendo com a uniformização da oferta global de alimentos


‘Brassica Oleracea I’, 2018


Desde 2006, o artista alemão Uli Westphal se dedica a descobrir, fotografar e, claro, a experimentar cultivares (variedade de vegetal cultivada por humanos para apresentar determinada característica vantajosa) únicos ou incomuns. 
A partir de 2010, Westphal passou a dispor suas fotografias, tiradas sempre do mesmo ângulo, iluminação e contra um fundo branco, em colagens de acordo com a espécie da planta. Assim, dezenas de variedades de pera, tomate, milho, formam um arco-íris de enorme beleza nas imagens da série que ele batizou de ‘The Cultivar Series’, um trabalho ainda em curso que continua se expandindo.
O apelo estético das gradações de cores e formas de diferentes espécies vegetais não é, entretanto, a principal finalidade do projeto.
‘Zea Mays I’, 2018


As imagens também documentam a imensa diversidade de variedades cultivadas, abandonadas pela indústria agrícola em função do cultivo de só uma ou algumas variedades por espécie, levando ao desaparecimento das demais.


‘Phaseolus-vulgaris-I’, 2013


A uniformização da oferta global de alimentos preocupa cientistas devido ao seu impacto negativo sobre a segurança alimentar e a saúde humana.
Definida pela garantia de acesso a quantidades suficientes de comida saudável e nutritiva para o desenvolvimento humano normal, a segurança alimentar está entre as motivações centrais do trabalho de Westphal.

O declínio da biodiversidade também representa, para ele, uma perda em termos das experiências visuais e gustativas que poderíamos ter com a comida, além de uma ameaça a um valioso patrimônio cultural.


'Capsicum I’, 2016


É por isso que, atualmente, ele não só fotografa espécimes vegetais como vasculha bancos de sementes e mercados de produtores à procura de variedades únicas, coletando também amostras que cultiva em uma estufa própria e prepara para consumir.

‘Cucurbita’, work in progress


O artista não se restringe a variedades cultivadas na Alemanha. Para a série ‘Zea mays’, de 2018, em que inventariou cultivares de milho, Westphal visitou bancos de sementes no México e no estado do Arizona, nos Estados Unidos, que faz fronteira com o país latino.

As variedades revelam histórias sobre os fazendeiros que as desenvolveram e as comunidades que as consumiram, como é o caso, por exemplo, de alguns cultivares de milho, criados por povos indígenas americanos.


Fonte: Juliana Domingos de Lima   |   =Nexo


(JA, Fev19)


Nenhum comentário:

Postar um comentário